ESTAR BEM COM FISIOTERAPIA

SUA SAÚDE EM BOAS MÃOS
ESTE SITE ESPALHA UMA VIDA MELHOR!



terça-feira, 25 de maio de 2010


NÃO TEM PREÇO!
ESTIMULAÇÃO PRECOCE É O QUE HÁ...

terça-feira, 18 de maio de 2010

TERCEIRA IDADE


QUEDAS NA TERCEIRA IDADE
Foto:Grupo Andorinhas de Novo Hamburgo -RS
Na terceira idade estamos sujeitos a quedas devido à fatores associados com a diminuição do equilíbrio, perda visual gradativa, diminuição dos reflexos, musculatura enfraquecida, marcha lenta e com base diminuida, patologias de coluna e articulações (dores crônicas), diminuição do alongamento muscular, enfim "coisinhas" da idade, o ideal é que quando o indivíduo chegue a uma certa altura da vida ele tenha consciência de que não realiza mais suas atividades como quando tinha seus áureos 20 aninhos e procure movimentar seu corpo com atividades de acordo com a idade para não causar nenhum mal e sim para prevenir-se de quedas e acidentes caseiros e "bobos" à que fica sujeito, além de tomar alguns cuidados nos locais onde vive e transita.
CUIDADOS NO BANHEIRO:
- não use chaves na porta
- o piso deve ser antiderrapante
- a toalha deve ficar próxima ao box ou dentro do mesmo
- prefira tapetes de borracha
- coloque um corrimão dentro do box e outro ao lado ou à frente do vaso sanitário
CUIDADOS NO QUARTO:
- instale luzes noturnas com sensor de movimento ou até memso tenha abajour ao alcance das mãos, elas facilitam a movimentação durante a noite
- evite tapetes, fios elétricos e fios de telefone soltos pelo chão
- levante a cama até 55 a 60 cm do chão para ficar mais fácil sentar-se e levantar-se dela
- não suba em bancos para pegar cobertas e coisas do maleiro peça ajuda para alguém
CUIDADOS NA SALA:
- evite móveis de vidro ou de material cortante
- televisão e demais aparelhos eletrônicos precisam de controle remoto
- disponha de telefone sem fio para não ter que correr quando ele chama
- não use tapetes, se dispor de algum coloque antiderrapante embaixo do mesmo
- levante assentos de cadeiras e sofás com almofadas ou até mesmo espuma nova
- utilize paredes de cores claras e luzes brancas uniformes
CUIDADOS NA COZINHA:
- piso antiderrapante
- sem tapetes
- utilize fogão com timer para o cozimento dos alimentos ou adquira uma minuteira
- tenha chaleira e leiteira com apito

- utilize a pia com 85 cm de altura aproximadamente
- manutenção nas gavetas para obter fácil abertura das mesmas
- guarde mantimentos e utensílios em local de fácil alcance, JAMAIS UTILIZE BANCOS OU ESCADINHAS para pegar algo no alto (só o fato de elevar o pescoço pode deixa-lo tonto e a pessoa cai)

VAMOS CUIDAR DOS NOSSOS VELHOS, AMANHÃ NÓS VAMOS ESTAR NESSA CONDIÇÃO!ABRAÇO

quarta-feira, 12 de maio de 2010

FISIOTERAPIA CÁRDIO-RESPIRATÓRIA


Fisioterapia Cardiorrespiratória

História e Definição

A fisioterapia tem sido considerada um componente fundamental na reabilitação de pacientes cirúrgicos cardiovasculares com o intuito de melhorar o condicionamento cardiovascular e evitar ocorrências tromboembólicas e posturas antálgicas, oferecendo maior independência física e segurança para alta hospitalar e posterior recuperação das atividades de vida diária. O fisioterapeuta tornou-se um profissional de extrema importância junto ao paciente crítico, atuando não só na reabilitação, mas também na prevenção de complicações potencialmente letais. Programas de reabilitação cardíaca baseiam-se na reabilitação física com conseqüentes reduções da morbidade e mortalidade, sendo ainda, a redução do estresse emocional, parte importante nos programas de reabilitação cardíaca.
Os tratamentos fisioterapeuticos na fase hospitalar baseiam-se em procedimentos simples, como exercícios metabólicos de extremidades, para diminuir o edema e aumentar a circulação; técnicas de tosse efetiva para eliminar obstruções respiratórias e manter os pulmões limpos; exercícios ativos para manter a amplitude de movimento e elasticidade mecânica dos músculos envolvidos; treino de marcha em superfície plana e com degraus, entre outras atividades, uma vez que a mobilização precoce dos pacientes após cirurgia cardíaca demonstra reduzir os efeitos prejudiciais do repouso prolongado no leito, aumenta a autoconfiança do paciente e diminui o custo e a permanência hospitalar. A fisioterapia motora tem grande significado para o desenvolvimento da capacidade respiratória, procurando evitar atelectasias em áreas pulmonares inferiores e sendo importante na prevenção de processos vasculares venosos, particularmente tromboembolismo e tromboflebites entre outros, sobretudo por alterações venosas no membro inferior. A mobilização precoce reduz os efeitos prejudiciais do repouso no leito e maximiza a velocidade em que as atividades habituais podem ser reassumidas. Atualmente, novas técnicas terapêuticas permitem que a maioria dos pacientes tenha alta hospitalar precocemente após infarto e revascularização do miocárdio sem perda da capacidade funcional. Nos últimos anos, foram descritos inúmeros benefícios do exercício regular para portadores de cardiopatia, além da melhora na capacidade funcional. (Titoto L et al)
A respiração é um processo essencial à vida, é a maneira pela qual se efetuam as trocas gasosas entre os pulmões e o meio exterior. Para que os pulmões permaneçam funcionando corretamente é necessário a integridade das estruturas anatômicas e que as vias aéreas estejam limpas sem obstáculos, como as secreções, que impeçam a passagem do ar. Existe uma grande variedade de patologias que acometem o sistema cardiorespiratório (DPOC, Asma, Bronquite, etc.) exigindo tratamento clínico específico e reabilitação adequada. Apesar de o tratamento fisioterápico ser diferenciado para cada patologia, os objetivos são comuns: Melhorar a ventilação e a oxigenação pulmonar, facilitar a eliminação de secreções, reduzir a dor e maximizar a tolerância ao exercício, diminuir o trabalho da respiratório e cardíaco. A fisioterapia cardiorespiratória na busca de oferecer melhor qualidade de vida aos pacientes, seja no atendimento ambulatorial ou hospitalar, elaborou diversas técnicas de tratamento
Algumas das técnicas são utilizadas no pré e pós-operatório de cirurgias tóraco-abdominais (cirurgia cardíaca, bariátrica, pulmonares...) com o objetivo de preparar bem os pulmões e o coração evitando complicações pós cirúrgica.
Durante o período pós-operatório da cirurgia cardíaca, ocorrem mudanças no padrão respiratório, força muscular, dentre outras, devido às operações nas propriedades mecânicas do pulmão e da parede torácica. E isso propicia surgimento de complicações na evolução desses pacientes. A fisioterapia cardiorespiratória é de suma importância tanto na prevenção como na reversão das complicações pós-operatórios. A fisioterapia ocupa hoje papel rele¬vante no ambiente da terapia intensiva, principalmente para os pacientes sob ventilação mecânica invasiva ou não invasiva.
A Fisioterapia faz parte do atendimento multidisciplinar oferecido aos pacientes em unidade de terapia inten¬siva (UTI). Sua atuação é extensa e se faz presente em vários segmentos do tratamento intensivo, tais como o atendimento a pacientes críticos que não necessitam de suporte ventilatório; assistência durante a recuperação pós-cirúrgica, com o objetivo de evitar complicações respiratórias e motoras; assistência a pacientes graves que necessitam de suporte ventilatório. Nesta fase, o fisioterapeuta tem importante participação, auxiliando na condução da ventilação mecânica, desde o preparo e ajuste do ventilador artificial à intubação, evolução do paciente durante a ventilação mecânica, interrupção e desmame do suporte ventilatório e extubação. A fisioterapia respiratória é eficaz e recomendada para o tratamento das atelectasias pulmonares em pacientes em ventilação mecânica. A fisioterapia respiratória pode ser utilizada em pacientes críticos, com o objetivo de prevenir e/ou tratar complicações respiratórias. (Jerre, Beraldo, Silva e col) (Fisioterapeutas plugadas)

segunda-feira, 10 de maio de 2010

ACUPUNTURA



ACUPUNTURA– TÉCNICA MILENAR DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA
A Acupuntura não está voltada diretamente para os agentes agressores externos e, por isso, seu tratamento não visa apenas a tratar o local comprometido no corpo, mas age sobre todo o sistema nervoso, estimulando o mecanismo de compensação e equilíbrio em todo o corpo, para com isso sanar a doença.

Pesquisas recentes visam a entender o mecanismo de ação da Acupuntura:
1. A Acupuntura altera a circulação sangüínea. A partir da estimulação de certos pontos, pode-se alterar a dinâmica da circulação regional proveniente de microdilatações. Outros pontos promovem o relaxamento muscular, sanando o espasmo, diminuindo a inflamação e a dor.
2. O estímulo de certos pontos promove a liberação de hormônios, como o cortisol e as endorfinas, promovendo a analgesia.
3. A Acupuntura ajuda a aumentar a resistência do hospedeiro. Quando há agressão externa, alguns sistemas orgânicos são prejudicados. Há uma regulação interna para oferecer resistência à doença. A Acupuntura exacerba estes mecanismos para que em menos tempo o equilíbrio e a saúde sejam restabelecidos. Muitas pesquisas revelam ser possível o estímulo do hipotálamo, da hipófise e de outras glândulas que atuam na recuperação.
4. A Acupuntura regula e normaliza as funções orgânicas. As diversas funções no homem são inter-relacionadas. Se há algum distúrbio alterando esse interrelacionamento, ocorre a manifestação de sintomas e a doença se estabelece. O estímulo pela Acupuntura pode dinamizar e restabelecer os relacionamentos anteriores e apressar a recuperação.
5. A Acupuntura promove o bom funcionamento do metabolismo. O metabolismo é fundamental na manutenção da vida. Em certas condições de doença, há alteração do metabolismo dos diversos órgãos, com conseqüente prostração e deficiência do organismo. A Acupuntura permite a recuperação desse metabolismo, importante no processo de cura.
A Acupuntura é uma arte terapêutica que deve estar entre as primeiras indicações na terapêutica de muitas patologias e deve ser exercida por profissionais da área da saúde( Fisioterapeutas, médicos, enfermeiros...)com Especialização Lato Sensu em Acupuntura.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

CERVICALGIA

CERVICALGIA

A coluna cervical que é a articulação do pescoço é fonte de grandes problemas de origem dolorosa, que chamamos de Cervicalgia. Para o diagnóstico faz-se necessária história clínica compatível, confirmação radiológica e concordância clínico-radiológica.
Existem dois tipos diferentes de dores na região cervical. Uma relacionada às patologias da própria estrutura da coluna e outra às afecções situadas nas suas proximidades, porém com manifestações clínicas na região cervical.
Entre as dores relacionadas às patologias em sua estrutura destacamos: degenerativas (artrose ,ossificação ligamentar idiopática);
• mecânico-posturais (posturas viciosas, seqüelas neurológicas);
• traumáticas ( hérnias discais, lesão do "chicote" e fraturas)
infecciosas ( bacterianas, micóticas);
• malformações congênitas;
• inflamatórias ( artrite reumatóide do adulto,artrite reumatóide
juvenil, espondilite anquilosante ),
• metabólicas (osteoporose),
• neoplásicas ( metástases ósseas, mieloma múltiplo)
• e ainda a afecções no interior da duramater ( meningioma,
neurinoma , abcesso, meningite).

Entre as dores decorrentes do acometimento de estruturas na sua vizinhança (dor referida), temos:
• disfunção da articulação temporomandibular, ( ATM)
• gânglios,
• tireoidite,
• faringite,
• carcinoma de laringe,
• traqueíte,
• aneurisma dissecante da aorta,
• inflamação da carótida,
• infarto do miocárdio,
• angina pectoris e a pericardite.

SINAIS E SINTOMAS
• Dor no pescoço e sobre os ombros
• Pescoço rígido
• Torcicolo
• Sensibilidade na nuca
• Incapacidade de rodar a cabeça
• Tontura
• Náusea eventual

FATORES PRINCIPIANTES
• Stress ocupacional
• Carregar bolsas pesadas
• Sono em posição não confortável,
• Stress psicológico
• Sentar em cadeira com braços elevados
• Alterações oclusais ( mordida)
• Bruxismo noturno
• Instabilidadevertebral

TRATAMENTO CLÍNICO
Podem ser utilizados medicamentos antiinflamatórios e relaxantes musculares, prescritos e devidamente orientados pelo médico.Porém, acredita-se que a causa da ocorrência da dor permaneça neste caso, quando tratado apenas com medicações; então orienta-se o paciente a procurar um serviço de FISIOTERAPIA e fazer uma avaliação para iniciar um plano de tratamento a fim de acabar com o agente causal da DOR ou até mesmo condicionar o corpo para evitar a recidiva do problema.

TRATAMENTO FISOTERAPÊUTICO
Elaborado, começando por uma boa anamnese e avaliação propriamente dita.
As diretrizes de tratamento são formuladas a partir do resultado da avaliação, adapta-se a conduta conforme o paciente apresenta-se no momento.
Algumas dicas se vc estiver com uma dor aguda no pescoço: pode utilizar uma bolsinha de água quente sob os ombros para aliviar a tensão muscular, deixar cair a água quente do chuveiro nos ombros no banho, não alongue-se, não estrale o pescoço, deite e repouse com um rolinho de tolha de rosto colocado embaixo do pescoço na curvinha.Procure a sua fisoterapeuta de confiança e peça ajuda.Abração.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

ATM - ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

ATM – Articulação Temporomandibular
Se um pequeno estalo surge durante o movimento de abrir ou fechar a boca, é sinal de que a articulação da mandíbula não está funcionando perfeitamente.

A articulação temporomandibular (ATM) é a que permite abrir e fechar a boca. Ela liga a mandíbula ao crânio e está entre as mais complexas articulações do corpo humano. Cada vez que se fala, mastiga ou deglute, a ATM se movimenta. Uma disfunção nesta articulação pode provocar dor e até limitar a movimentação da mandíbula (anquilose) ou excesso de mobilidade (luxação).
1. Tecidos retrodiscais.
2. ATM.
3. Disco articular.
4. Músculo.


Incidência
50% a 60% da população mundial tem alguma alteração na ATM.
Mal oclusão é a mordida inadequada (ou encaixe errado dos dentes). Está relacionada, na maioria das vezes, a mordida cruzada ou aberta. Dentes tortos também podem provocar o problema.
Traumatismo é responsável por mais de 20% dos problemas na articulação temporomandibular (ATM). Uma pancada ou movimentos bruscos na cabeça ou na mandíbula podem danificar as estruturas que compõem a ATM.
Ranger ou apertar os dentes desgastes excessivos nos dentes normalmente estão associados ás pessoas que os apertam ou rangem, ato conhecido como bruxismo.
Sinais e sintomas
• Dor de cabeça;frontal e lateral
• Dificuldade para deglutir;
• Desvios da mandíbula durante abertura;
• Modificação no encaixe dos dentes;
• Pequenos estalos ao abrir e fechar a boca;
• Sensação de travamento da mandíbula;
• Dores na articulação, face, ombros e pescoço;
• Assimetria da mandíbula;
• Assimetria da face;
• Macrognatismo (mandíbula grande);
• Micrognatismo (mandíbula pequena).
Dores reflexas
Muitas vezes, os disfunções na articulação da mandíbula não causam dores no local lesionado, mas sim em outras áreas da cabeça. Isto acontece porque o cérebro não consegue interpretar qual é a origem do problema e provoca reações nas musculaturas mais comprometidas. Assim, dores na têmpora (ao lado dos olhos) e atrás da cabeça podem ser provocadas pela musculatura fatigada do músculo do pescoço usado em excesso devido ás disfunções na ATM. Dores atrás dos olhos e no topo da cabeça podem ser provocadas pela musculatura fatigada da parte posterior da cabeça.
Tratamento CONSERVADOR:

FISIOTERAPIA: objetivo de evitar cirurgia (75% dos casos se resolvem sem cirurgia), reencaixar a mandíbula no crânio, reduzir a dor muscular, melhorar o limite de movimento e impedir a inflamação. Muitas vezes, a prevenção é a melhor forma: o uso de aparelhos ortodônticos pode evitar o surgimento da disfunção.

Placas interoclusais � cerca de 80% dos tratamentos das disfunções na ATM são realizados com essas placas, colocadas nos dentes superiores e inferiores, e que permitem uma melhor postura da mandíbula.
Tratamento fonoaudiológico é realizado após cirurgia ou ortodontia, se necessário.
Medicamentos são na maioria das vezes analgésicos, antiinflamatórios ou relaxantes musculares que amenizam a dor e evitam o agravamento do quadro. Os exercícios e a mudança de hábitos (da mastigação) são fundamentais.
Dicas
O que deve ser feito para evitar as dores ou fazê-las desaparecer:
• Procure um fisioterapeuta e faça uma avaliação;
• elimine qualquer mau hábito bucal;
• dieta com alimentos macios, evitando carnes ou outras comidas mais consistentes;
• não mascar chicletes, pois eles sobrecarregam os músculos da mastigação;
• evitar abrir demais (e por muito tempo) a boca para comer uma maçã ou um sanduíche;
• não apoiar a mão no queixo;
• mastigar sempre dos dois lados da boca;
• não ficar roendo unha ou mordendo objetos como lápis, caneta ou palito de dente.

Texto: Correio Braziliense

FISIOTERAPIA

Fisioterapia
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A Fisioterapia ou Medicina Física, como é conhecida atualmente, em sentido amplo, é a ciência que estuda o movimento humano e que utiliza recursos físicos no tratamento e cura. Com o sentido restrito à área de saúde, está voltada para o entendimento da estrutura e mecânica do corpo humano. Ela estuda, diagnostica, previne e trata os distúrbios, entre outros, da biomecânica e funcionalidade humana decorrentes de alterações de órgãos e sistemas humanos. Além disso, a Fisioterapia estuda os efeitos benéficos dos recursos físicos e naturais sobre o organismo humano. É a área de atuação do profissional formado em um curso superior de fisioterapia. O fisioterapeuta é capacitado a avaliar, reavaliar, prescrever órteses, próteses, tratamento físico, dar diagnóstico cinesiológio-funcional, prognóstico, intervenção e alta, dentro de sua tipicidade assistencial.
É administrada em consultórios, clínicas, centros de reabilitação, asilos, escolas, clubes, academias, residências, hospitais, empresas, unidades básicas ou especializadas de saúde, pesquisas, entre outros, tanto por serviços públicos como privados.
A fisioterapia atua nas mais diferentes áreas com procedimentos, técnicas, metodologias e abordagens específicas que tem o objetivo de avaliar, tratar, minimizar problemas, prevenir e curar as mais variadas disfunções.
Além disto, a complexidade da profissão reside na necessidade do entendimento global do ser humano através da Anatomia, Citologia, Fisiologia, Embriologia, Histologia, Biofísica,Biomecânica, Bioquímica, Cinesiologia, Farmacologia, Neurociências; além da Antropologia, Ética, Filosofia, Sociologia, Deontologia, Bioimagem (radiogradia, ultrassonografia, ressonância magnética, tomografia, densiometria óssea, etc e outras ciências de formação geral.
Uma formação curricular consistente permite ao fisioterapeuta, em sua avaliação ou consulta, a formulação do diagnóstico fisioterapêutico (cinesiológico-funcional), de acordo com a normatização profissional do Brasil.[1]
A fisioterapia foi regulamentada oficialmente no Brasil pelo Decreto-Lei nº 938 em 1969 e pela Lei Federal nº 6.316 em 1975.